Monday, March 26, 2007

Aquela coisa toda.
(um lembrete, entre outras coisas, de que isso é um blog pequenho, escrito para amigos)
-
tentar e saber reconhecer, no meio do inferno, quem e o que não é inferno, e fazê-lo viver, e dar-lhe lugar.
Certo. Essa primeira parte, com sorte, consegue-se.
Agora, a parte de fazer viver, dar espaço. Isso é um esforço bem maior. Todo um movimento aí de efeito complicado. Defender dos mongóis atacando em um setor, correr proutro onde aldeões com ancinhos. Ninjas. Sem contar, né, seu irmão gêmeo malvado. Principalmente ele.
Não é porque não faz parte do inferno, porque é do bem e infinito, que seja, que não requer manutenção. É também um exercício de criação, como todo o resto. É necessário desempenhá-lo a toda hora. Em todos os seus sentidos pequenininhos que se estendem indefinidamente. Ser maior do que você não significa que não vá depender de você. Toda hora.
E aí que rola de achar as coisas certas. Uma grande, ou várias pequerruchas. De significâncias diversas em tudo, responsabilidades diversas. Daí que mesmo de longe, mesmo quando parecer tolo, mesmo as coisas comparativamente pequenas. Ainda assim vão funcionar. Vão te arrastar através de um dia. Através desse, agora.

Wednesday, March 14, 2007

-
Decidi que vou postar hoje, ok? ok
Não vou pensar sobre antes, não saindo de lugar algum não me desaponto em não chegar em lugar algum.
Só que não sou inteligente de ficar falando de coisas aí complicadas, e a minha VIDA PESSOAL é pessoal demais. Minhas melhores tentativas de ser não-específico consistem em fazer anagramas com nomes de pessoas de verdade, ou fingir que falo do mundo todo, como se o mundo todo guardasse tanto interesse.
Sei o que pensa, mas sou honesto demais pra fazer post que só finge que faz sentido. Real.
A imaginação é fraca, penso em uma dezena de pessoas e atenção fica dispersa. Daí não concluo nada das coisas, minha experiência não me permitindo que exemplos das coisas se manifestem em mais de, sei lá, duas pessoas por ano.
Então henry james. Leio henry james. A não ser que você seja uma dessas pessoas semsentidamente excepcionais, que existem decomforça, as chances são que personagens do henry james existem mais do que você. Por isso ver que tal personagem do henry james fez tal coisa vale como experiência de vida, percebi.
Outro dia, porexemplo, li de umas filhadaputa e agora vou precisar de terapia pra superar, acho que vou ter problemas em relacionamentos e tudo mais, commitment issues e pá, dizem seriados.

Saturday, March 03, 2007

-
Não se entende nada. Tenho cá um bonequinho de coisa promocional de quase um ano de vida. Escroto, mal ajambrado, das piores tentativas em imitar forma de vida desde alf, desde rob liefeld. Uma bolinha de pelo com mãos e pés grudados, ainda um chapéu. Que diz que 2006, que o Brasil auto-suficiente em petróleo. Feito para morrer ainda nos bolsos das pessoas, pisoteado no chão dos carros.
Deve ser dos poucos sobreviventes, o que tenho na mão. As pupilas andam, às vezes se deitam. O olho morre.
Não consigo me trazer a esquartejá-lo, tão amarelo. E esperam a sério que eu morra?