Thursday, August 10, 2006

Quando as coisas se prolongam o bastante começam a comentar na rua, e não dá, nessa era aí do whatnot, como ficar sem saber das coisas maiores, é o preço que pagamos pelo youtube, sempre conseguem esgueiras essas coisas em notinhas aqui e ali, e eu leio, achando que é algo inocente que só quer me vender viagra ou aumentar os meus seios.
Quando não é isso é a minha mãe, deixando jornal com manchetes escrotas (como é que conseguem mostrar tanta imbecilidade em uma linha is beyond me) pelo corredor, imagino que querendo que eu leia. Antes tinha a desculpa do vestibular, mas agora é francamente ofensivo. Minhas opiniões são todas completamente imbecis e desinformadas, tanto que só as divulgo entre familiares, e todo mundo fica melhor assim, discutindo a situação lá dos terroristas* com taxista ou barbeiro.
Mantendo essas crises aí todas simplificadas na minha cabeça, ilustradas por tipo duas informações desencontradas, tudo fica mais simples e simpático. Usando palavras de colunista gordo, fica tudo preto-e-branco, maniqueísta, e isso deve ser o ideal, se professores universitários são contra**. Eu gosto das minhas crises políticas simples e chamativas, me dêem catchphrases ou atentados, ou fiquem calados. Algo que eu possa usar em piadas sem-graça, como mensalão, a dancinha da deputada lá também foi massa.
É legal que fica toda uma massa parecida e assustadora na minha cabeça, aquecimento global e lula, mensalão e hezbollah. Aposto que na verdade eu entendo muito mais o que está acontencendo do que todos vocês, no final das contas. Tem coisa demais acontecendo, logo aparece o ruivo hering gargalhando em cima da montanha, um carro desses que sofre atentado levanta e vira um robô, o bono tira a máscara e é o osama, reality is seeming to catch up, I tell you.


*eu que achava que era só uma, parece que tem umas oito situações lá de terroristas acontecendo as we speak.
**eu nunca vi um professor universitário se mostrar do lado certo de alguma coisa, isso é óbvio, e tudo, mas chega a proporções absurdas, parece ser gente que torcia pro papa-léguas.