Monday, May 22, 2006

Sobre conversas sobrouvidas em um avião
-
( já estamos na metade do vôo e você notava há um tempo com o canto do olho as repetidas insistências com a aeromoça para conseguir mais bebida, ele não espera ninguém puxar conversa para começar a falar)
No fim de tudo encontra-se um anjo, um anjo não bonito o bastante para te deixar constrangido, mas antes super simpático e gentil. Ele não se diz anjo e te responde apenas com um sorriso bonito se você perguntar, mas tem as asas, né. Este anjo responde todas as suas perguntas, quando não consegue explicar em palavras mostra filminhos e slides. Ou mímica, anjos fazem mímicos fantásticos. É a única hora onde você pode fazer perguntas, então aproveite. Você pode eventualmente falar que acabou, que é só isso mesmo muito obrigado deixa eu ir pro céu agora, mas aí não dá mais de perguntar nada pra ninguém, eles não deixam. Perguntas sobre a natureza do além disso são as únicas não permitidas, né, sempre tem um truque. Então você pode ficar milhões de anos lá, pensando em mais coisas pra perguntar. Você vai ficar meio constrangido a princípio. Ele olhando para o nada, nem cutuca a unha nem murmura melodias angelicais nem nada, mas anjos aprenderam há muito tempo a serem pacientes.
(Pára um pouco para pensar nisso, sorrindo. Gordo e afável, a voz dele parece suada, você não sabe dizer exatamente o porquê. )
Ah, sim, todos dizem aqui na terra que não existe nada definitivo acerca de questões estéticas, mas eles tem respostas prontas por lá. Isso é bonito, isso não é. Umas interpretações fantásticas de uns livros. Tem umas coisas que eles te falam e você não acredita a princípio mas acaba encaixando depois. Quando você duvida eles mostram vídeozinhos com depoimentos do autor, dá vontade de ficar com raiva do anjo mas você não consegue, ele te mostra na maior boa vontade, sem ser sacana sobre a situação, todo atencioso.
É, Isso que é o mais legal, você não fica com vergonha de perguntar coisas chatas, pedir pra ver ditadores chorando ou atrizes dos anos 50 tomando banho, tudo ele mostra com a melhor disposição do mundo, como se fosse a pergunta mais interessante que já perguntaram, como se fosse perfeitamente normal pedir pra ver suas ex-namoradas chorando por você. Haha.
(Corrige a sua posição e brinca com os cubos de gelo, levanta o copo para levá-los à boca e derruba tudo, murmurando palavrões e expressões que você nunca ouviu antes e que francamente não consegue entender muito bem, a sensação não acontecia desde a terceira série)
Pois é, as perguntas não são só coisas como 'de qualé do tempo?', ou 'de qualé da vida?', você pode perguntar sobre livros, sobre, tipo, quem foi que contou pro seu amigo que você imitava ele bêbado pra todo mundo se pedissem, o que diabos aconteceu lá com o kennedy, o que se deu com atores mirins de sucesso dos anos noventa, tal. Tem gente que pede pra ver personagens históricos fazendo você-sabe-o-quê, tá me entendendo, mas nunca foi meu tipo de coisa. Eles têm toda a podreira em escritores reclusos, também.
(Pára por mais um tempo, come um pouco do lanche, dá umas risadas com longos intervalos, balançando a cabeça)
Eu descobri que um amigo meu era gay. Haha.

Sunday, May 14, 2006

Further Evidence That We Have Lost All Connection To Reality
-
Perfis são criados como uma REFLEXÃO de como seria o bogus de tal pessoa, comunidades com piadas internas (and I mean inside) que não serão explicadas, e exemplos que eu não tento explicar aqui porque simplesmente não vejo como.
É todo um tipo de sutileza (não sutileeeeza sutileza século dezenove, mas um tipo de) que consegue distinguir as pessoas com maior discernimento desse nosso hoje em dia de meu deus (ou conseguia, ao menos, antes da queda).
Corte para vinte (não, dez, não, cinco) anos depois, você tentando explicar pra alguém qual era a graça da piada toda. Você vai ter que admitir que entrava no perfil de algumas pessoas quase todo dia, o significado da Visualização de Perfil e como ela mudou the world as we know it.
Vamos precisar de um romance capturador de zeitgeist (admirem os meus culhões, eu digo sem caps) a cada cinco anos, galera? Nos contentar com posts? Nay, comunidades? Onde os níveis todos se abocanham e alguém desliga o chapéuzinho com lanterna e nós podemos todos ir pra casa. Ou para a página principal, descobrir que Você se dará bem na expansão dos negócios.

(eu juro que é o último, falta de assunto dá nisso)

Thursday, May 04, 2006

O laerte é o maior brasileiro publicando hoje (eu quase falei maior brasileiro publicando hoje vivo).
A gente ri e fala olha só haha que irreverente e espirituoso, mas não é pra ser engraçado não, galera.